EDIÇÃO ATUAL

Guanambi . Bahia .
Você está aqui: Capa » Editorias » Agronegócios » Embrapa e Uesb recomendam variedade de mandioca para a região sudoeste da Bahia

Embrapa e Uesb recomendam variedade de mandioca para a região sudoeste da Bahia

embrapa uesb

Na manhã de quarta-feira (22), cerca de 200 produtores, técnicos e estudantes universitários participaram, no campus da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb), em Vitória da Conquista, de um dia de campo para extensão de recomendação da variedade de mandioca BRS Poti para o sudoeste da Bahia, região importante no contexto da mandiocultura no estado. O evento foi realizado pela Embrapa Mandioca e Fruticultura (Cruz das Almas, BA), Unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Uesb e Cooperativa Mista Agropecuária do Sudoeste da Bahia (Coopasub), com apoio das prefeituras de Vitória da Conquista, Belo Campo e Cândido Sales.

Desenvolvida pelo Projeto de Melhoramento de Mandioca para Biofortificação e para a Indústria de Farinha e Fécula, liderado pela Embrapa, a BRS Poti Branca foi lançada em 2007 para a região centro-sul de Sergipe e, desde 2012, vem sendo avaliada em experimentos no povoado Corta Lote, no município de Vitória da Conquista, e na comunidade do Bomba, em Cândido Sales.

Segundo dados de 2016 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no ano de 2015, em termos de área colhida com mandioca, o município de Cândido Sales, pertencente à microrregião de Vitória da Conquista, ocupou a primeira posição no estado da Bahia e a sexta no Brasil. Foram colhidos 12.000 hectares, o que equivale a 6,32% da área do estado. Destacam-se ainda os municípios de Encruzilhada (5.000 hectares, segundo colocado) e Belo Campo (2.200 hectares, 12º colocado), na mesma região.

Experimentos

Nos testes realizados na área experimental da Uesb e em áreas de produtores ligados à Coopasub, a BRS Poti Branca foi superior às outras variedades locais testadas em todas as características, incluindo produtividade de raízes, matéria seca (amido) e produção de manivas.

“Os resultados da avaliação demonstraram que, em razão de sua alta produtividade de raízes de matéria seca, e da alta produção de material propagativo [manivas], a BRS Poti Branca é altamente recomendada para a região”, explicou o pesquisador Vanderlei Santos, melhorista responsável pela extensão de recomendação da cultivar.

A produtividade média de raízes da BRS Poti Branca foi de 23,54 toneladas por hectare (11,75% acima da média da testemunha Sergipe), e a produtividade de matéria seca foi de 7,62 toneladas por hectare, 15,81% acima da média da Sergipe. Além do desempenho quanto à produtividade de raízes e de matéria seca, a BRS Poti Branca apresentou hastes retas, acima de 1,0 m de comprimento e entre 2 e 3 hastes por planta, o que a torna adequada ao plantio mecanizado, facilita a realização de capinas e favorece a cobertura do solo, resultando em maior conservação da umidade e diminuição da incidência de plantas daninhas. Outro dado avaliado foi o número de manivas de 20 cm por planta. A BRS Poti Branca apresentou o maior número de manivas por planta (16,24), enquanto a Sergipe, a cultivar de mandioca mais plantada na região de Vitória da Conquista, produziu 10,51 manivas por planta.

O evento

De acordo com Anselmo Viana, professor do Laboratório de Melhoramento e Produção Vegetal da Uesb e responsável pelo acompanhamento dos experimentos, o cultivo de mandioca na região de Vitória da Conquista está centralizado em variedades que passaram por desgastes ao longo do tempo. “São variedades que, em função de serem cultivadas há mais de 20 anos, já estão com sérios problemas fitossanitários e com redução de produtividade. Um evento como a distribuição de manivas da BRS Poti Branca traz ao produtor uma opção a mais, algo que ele pode tentar usar na sua lavoura para aumentar a sua propriedade e melhorar o seu rendimento financeiro”, afirmou.

Um dos participantes do dia de campo era Jurandy Ferraz de Araújo, produtor de Cândido Sales. “Pelos dados apresentados, eu acredito que, se nós conseguirmos cultivar e multiplicar essa variedade, vai salvar o futuro da cultura da mandioca no nosso município”.

Da Embrapa Mandioca e Fruticultura, participaram Vanderlei, que apresentou as vantagens da variedade, e o analista Helton Fleck, que falou sobre a importância da qualidade de manivas, e o pesquisador Domingo Haroldo Reinhardt (representando a Chefia).

Manivas da variedade podem ser obtidas no Instituto Biofábrica de Cacau, pelo e-mail biofabrica@biofabrica.org.br ou telefones (73) 3689-6001/6065 e 99689-6103.

Por: Léa Cunha (DRT-BA 1633) |Embrapa Mandioca e Fruticultura

Comente esta matéria

O seu endereço de email não será publicado. Campos requeridos estão marcados *

*

Não serão publicados comentários com xingamentos e ofensas ou que incitem a intolerância ou o crime. Os comentários devem ser sobre o tema da matéria e sobre os comentários que surgirem. As mensagens que não atendam a essas normas serão deletadas. Os que transgredirem essas normas poderão ter interrompido seu acesso a este veículo.

Scroll To Top