EDIÇÃO ATUAL

Guanambi . Bahia .
Você está aqui: Capa » Destaques » Ministério da Saúde aponta que mais de 30 milhões de brasileiros sofrem de pressão alta

Ministério da Saúde aponta que mais de 30 milhões de brasileiros sofrem de pressão alta

pressao alta saude 1
Se não for tratado corretamente, pode trazer consequências graves

Dia 26 de abril é marcado pela celebração do Dia Nacional de Prevenção e Combate a Hipertensão. Dados do Ministério da Saúde apontam que mais de 30 milhões de brasileiros sofrem com o problema. Conhecida popularmente como “pressão alta”, a doença crônica é determinada pelos níveis elevados da pressão sanguínea no corpo, igual ou maior que 12 por 8.

De acordo com o Prof. Dr. Elia Ascer, cardiologista do aplicativo Docway, a pressão do corpo pode elevar por inúmeros motivos, mas o principal deles é a contração dos vasos por onde o sangue circula. “Vamos pensar no coração e os vasos como uma torneira ligada a várias mangueiras circulando o sangue. Se fecharmos a ponta dessas mangueiras a pressão dentro delas vai aumentar. Acontece a mesma coisa quando o coração vai bombear o sangue para o corpo e as veias estão estreitas. A pressão aumenta”.

Ainda segundo o médico, se não tratada a hipertensão pode ter consequências graves como insuficiência cardíaca, insuficiência renal crônica, AVC isquêmico e hemorrágico, dentre outras. “Essa pressão elevada acaba atacando os vasos, coração, rins e cérebro, que são recobertos por uma camada muito fina e delicada, que acaba sendo machucada. Com o tempo, esses vasos vão ficando endurecidos e ainda mais estreitos e podem entupir e romper”, complementa.

Por esses motivos, o médico lembra que a hipertensão não tem cura, mas pode ser controlada e suas consequências mais graves evitadas. “Se você é hipertenso, é importante reduzir o consumo de sal no dia a dia, assim como eliminar o consumo de álcool e cigarro. É fundamental, também, controlar a gordura no sangue mantendo uma alimentação saudável. Para completar, a prática de atividades físicas é importantíssima”, completa Prof. Dr. Ascer.

Comente esta matéria

O seu endereço de email não será publicado. Campos requeridos estão marcados *

*

Não serão publicados comentários com xingamentos e ofensas ou que incitem a intolerância ou o crime. Os comentários devem ser sobre o tema da matéria e sobre os comentários que surgirem. As mensagens que não atendam a essas normas serão deletadas. Os que transgredirem essas normas poderão ter interrompido seu acesso a este veículo.

Scroll To Top