REVISTA DIGITAL

Guanambi . Bahia .


Você está aqui: Capa » Plantão de Notícias » Arquivo de Notícias » Retinopatia diabética amentou 61,8% em dez anos e já atinge 40% dos brasileiros

Retinopatia diabética amentou 61,8% em dez anos e já atinge 40% dos brasileiros

Equipamento é capaz de quantificar clorofila e oxigênio dissolvido na água e a sua turbidez. Foto: Luiz Vicente/divulgação

Equipamento é capaz de quantificar clorofila e oxigênio dissolvido na água e a sua turbidez. Foto: Luiz Vicente/divulgação

Diabetes tipo 2 será a próxima epidemia global: é o que consideram os especialistas. Para se ter uma ideia, segundo o Ministério da Saúde, entre 2006 e 2016, os casos da doença aumentaram em 61,8% no Brasil. No mundo, já são mais de 387 milhões de diabéticos, e a expectativa é que esse número aumente em 150%. A diabetes é uma doença crônica, que aumenta as taxas de açúcar no sangue e pode levar a complicações graves, quando não controlada. Uma dessas complicações é a retinopatia diabética, considerada a maior causa de cegueira de pessoas jovens em todo o mundo.

Dados da Sociedade Brasileira da Diabetes, de 2018, mostram que 40% dos pacientes que têm diabetes podem desenvolver a doença, uma vez que a grande maioria não sabe sobre os riscos da doença. Para o médico oftalmologista João Guilherme Oliveira de Moraes, especialista em retina e vítreo e idealizador do Retina do Bem, projeto de combate à retinopatia diabética, além da falta de conhecimento, o grande problema é que a doença é assintomática, o que faz com que muitos casos sejam diagnosticados tarde demais: “A retinopatia diabética é uma doença que não apresenta sintomas específicos e a grande maioria dos pacientes com diabetes nem sabe desse risco. Por isso, o exame periódico de fundo de olho é tão importante para pacientes diabéticos”, avalia.

A retinopatia diabética afeta os vasos sanguíneos do olho e, se não diagnosticada e contida a tempo, ela deposita um material anormal nas paredes dos vasos da retina – fundo do olho –, causando o estreitamento e até bloqueio dos mesmos, além do enfraquecimento de suas paredes, o que pode causar deformidades chamadas de microaneurismas. São esses microaneurismas que acabam rompendo e levando à hemorragia, o que pode causar a cegueira. A retinopatia diabética se apresenta de duas formas a exsudativa ou proliferativa, ambas podem causar perda parcial ou total da visão. “No primeiro caso, a hemorragia e a gordura afetam a mácula, que é a responsável pela visão central, usada para a leitura. Já no segundo caso, acontece a proliferação de novos vasos atípicos, os “neovasos”, os quais são extremamente frágeis e também podem causar hemorragia.  Além disso, esses “neovasos” podem atingir o interior do olho, podendo causar não só dificuldades de enxergar, como a destruição da retina”, esclarece o especialista.

A principal causa da retinopatia diabética é o diabetes mellitus; é ele que impede o nosso corpo de fazer o uso adequado dos alimentos, principalmente o açúcar, elevando seus níveis na corrente sanguínea. Quanto a prevenção, o médico lembra que não existem segredos: alimentação adequada, uso dos remédios prescritos, prática de exercícios físicos e consultas periódicas acompanhadas do exame de fundo de olho podem evitar maiores problemas. Hoje, graças ao avanço da tecnologia, existem tratamentos capazes de interromper a progressão da doença, como a Fotocoagulação por raio laser, que cauteriza as regiões afetadas, evitando o processo de hemorragia. Em alguns casos, porém, pode ser necessária a realização de cirurgia de vitrectomia. “Quanto mais cedo é o diagnóstico, maior é a probabilidade de sucesso no tratamento. Apesar de não existir uma cura para a retinopatia diabética, ela pode ser controlada. Por isso, ter conhecimento sobre o assunto é o primeiro passo para a prevenção”, finaliza Moraes.

Fotos Divulgação (3)Mutirão da Diabetes em Curitiba

Na capital paranaense, instituições privadas e a Associação Paranaense de Oftalmologia (APO), em parceria com a prefeitura, se uniram para conscientizar a população sobre o problema. O Retina do Bem 2019 e 7º Mutirão Diabetes Curitiba acontecem no próximo dia 09 de novembro, das 9 às 16h, na Praça Ouvidor Pardinho, em Curitiba. O evento, que contará com cerca de 500 voluntários, sendo aproximadamente 60 médicos, é uma realização do Oftalmo Curitiba – Hospital da Visão e do Centro Paranaense de Oftalmologia (CPO). Além da parceria com a Prefeitura Municipal de Curitiba, a ação conta com apoio da Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo (SBRV), da Associação Paranaense de Oftalmologia (APO), da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD) e da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM). O principal objetivo do evento é realizar avaliação de fundo de olho em pacientes diabéticos que ainda passaram pelo exame esse ano. Podem fazer os exames: pessoas com diabetes, encaminhadas ou não pela Secretaria de Saúde de Curitiba, assim como a população em geral que deseja medir o nível da glicemia para saber se tem diabetes. Para mais informações, acesse os sites oficiais dos eventos www.retinadobem.com.br e o www.campanhadiabetescuritiba.com.br

Fonte: Bruna Bozza | Reversa Comunicação

Comente esta matéria

O seu endereço de email não será publicado. Campos requeridos estão marcados *

*

Não serão publicados comentários com xingamentos e ofensas ou que incitem a intolerância ou o crime. Os comentários devem ser sobre o tema da matéria e sobre os comentários que surgirem. As mensagens que não atendam a essas normas serão deletadas. Os que transgredirem essas normas poderão ter interrompido seu acesso a este veículo.

Scroll To Top