REVISTA DIGITAL

Guanambi . Bahia .


Você está aqui: Capa » Agronegócios » Brasil envia nova remessa de sementes ao Banco Mundial de Sementes de Svalbard, na Noruega

Brasil envia nova remessa de sementes ao Banco Mundial de Sementes de Svalbard, na Noruega

Foram 3.037 acessos de arroz, 87 de milho, 119 de cebola, 132 de pimentas e 68 de cucurbitáceas conservados pela Embrapa, que agora farão parte do maior banco genético do mundo. Foto: cópia pesquisa Google

Foram 3.037 acessos de arroz, 87 de milho, 119 de cebola, 132 de pimentas e 68 de cucurbitáceas conservados pela Embrapa, que agora farão parte do maior banco genético do mundo. Foto: cópia pesquisa Google.

Nesta sexta-feira (10) a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, envia para a Noruega 3.438 materiais genéticos que fazem parte do seu acervo para compor o maior banco mundial de sementes do mundo, o de Svalbard, situado na cidade de Longyearbyen. Criado para funcionar como uma cópia de segurança para conservação a longo prazo das sementes de bancos de germoplasma de todo o planeta, ele está situado no interior de uma montanha e foi planejado para resistir a catástrofes climáticas e explosões nucleares. Por isso, o banco nórdico é considerado o mais seguro em termos físicos e ambientais.

Serão 3.037 acessos de arroz, 87 de milho, 119 de cebola, 132 de pimentas Capsicum e de 63 Cucurbitáceas (abóboras, morangas, melão, pepino, maxixe, quino e melancia), que serão mantidas a uma temperatura de 18 graus negativos. Acessos são amostras de sementes representativas de diferentes populações de uma mesma espécie. O clima glacial do Ártico assegura baixas temperaturas mesmo se houver falha no suprimento de energia elétrica. As baixas temperaturas e umidade garantem uma baixa atividade metabólica, mantendo a viabilidade das sementes por séculos.  O envio dessas sementes, segundo Celso Moretti, presidente da Embrapa, dá visibilidade ao Brasil no cenário internacional, e é um esforço adicional de conservação, que se soma ao Banco Genético da Embrapa, conservado em Brasília e que é considerado o quinto maior do mundo.

As sementes que serão enviadas pela Embrapa estão acondicionadas em embalagens aluminizadas hermeticamente fechadas, identificadas com código de barras, e organizadas em caixas plásticas. As caixas serão enviadas pelos Correios até Oslo, na Noruega. De Oslo, seguirão até o arquipélago de Svalbard, no Círculo Polar Ártico. Lá, no dia 25 de fevereiro de 2020, as sementes serão depositadas no Banco Mundial de Sementes de Svalbard, em uma cerimônia com a presença da Primeira Ministra da Noruega, Erna Solberg, delegados  de vários países e representantes de bancos de germoplasma. A Supervisora de Curadorias de Germoplasma Vegetal da Embrapa, Rosa Lía Barbieri, representará o Brasil e acompanhará o depósito das sementes.

O material enviado foi recolhido em bancos de germoplasma mantidos pela Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia (Brasília-DF),  Embrapa Arroz e Feijão (Santo Antônio de Goiás-GO), Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG), Embrapa Clima Temperado (Pelotas-RS) e Embrapa Hortaliças (Brasília-DF). Em 2014 foram enviados pela Embrapa 514 acessos de feijão e em 2012, 264 de milho e 541 de arroz. A iniciativa é decorrente do acordo assinado entre a Embrapa e o Real Ministério de Agricultura e Alimentação da Noruega, em 2008.

Com informações da: Gerência de Comunicação Estratégica (GCE) / SIRE/ Embrapa /Brasília/DF

Comente esta matéria

O seu endereço de email não será publicado. Campos requeridos estão marcados *

*

Não serão publicados comentários com xingamentos e ofensas ou que incitem a intolerância ou o crime. Os comentários devem ser sobre o tema da matéria e sobre os comentários que surgirem. As mensagens que não atendam a essas normas serão deletadas. Os que transgredirem essas normas poderão ter interrompido seu acesso a este veículo.

Scroll To Top