REVISTA DIGITAL

Guanambi . Bahia .


Você está aqui: Capa » Plantão de Notícias » Arquivo de Notícias » Brasil tem cerca de 13 mil pacientes com Hemofilia, doença congênita e hereditária

Brasil tem cerca de 13 mil pacientes com Hemofilia, doença congênita e hereditária

Dia 17 de abril celebra-se o Dia Mundial da Hemofilia: uma anomalia que dificulta a coagulação do sangue. Foto reprodução.

Dia 17 de abril celebra-se o Dia Mundial da Hemofilia: uma anomalia que dificulta a coagulação do sangue. Foto reprodução.

A hemofilia é uma doença hemorrágica que causa sangramentos espontâneos desde o primeiro ano de vida. Congênita e hereditária, a doença ocorre devido à deficiência de uma proteína de coagulação do sangue, podendo ser de dois tipos: Hemofilia A e Hemofilia B. O que poucos sabem é que a mutação que causa a hemofilia fica localizada no cromossomo X. Por isso, em geral, as mulheres não desenvolvem a doença, apesar de poderem ser portadoras da mutação. Neste caso, o filho do sexo masculino é que pode manifestar a enfermidade.

Segundo a Federação Brasileira de Hemofilia (FHB), existem 13 tipos diferentes de fatores de coagulação, que são ativados apenas quando ocorre o rompimento de um vaso sanguíneo, onde a ativação do primeiro leva à ativação do seguinte até que ocorra a formação do coágulo pela ação dos 13 fatores. Na hemofilia A, há deficiência do Fator VIII (fator oito da coagulação) e na Hemofilia B, há deficiência do Fator IX (fator nove da coagulação).

Para se ter uma ideia de quão rara é esta condição genética, sua prevalência é de aproximadamente 1:10.000 nascidos vivos para Hemofilia A e 1:50.000 para Hemofilia B. Apesar de diferentes em níveis de severidade, ambas apresentam sintomas semelhantes já nos primeiros anos de vida, como: manchas roxas na pele; inchaço e dor nas articulações; sangramentos espontâneos, sem razão aparente, na gengiva ou nariz; hemorragias difíceis de parar após um simples corte ou cirurgia. A partir da aparição destes sintomas, o diagnóstico é feito por meio de um exame de sangue que mede a dosagem do nível dos fatores VIII e IX de coagulação sanguínea.

A hemofilia não tem cura, mas possui tratamento a partir da reposição do fator de coagulação deficiente. O tratamento está disponível em todo o território brasileiro, e é coordenado pelo Ministério da Saúde e da Secretaria de Atenção à Saúde (SAS) – departamento de Atenção Especializada, com equipes técnicas que atuam na logística do fornecimento de medicações (todas importadas).

Segundo a Dra. Selma Soriano – hematologista do Hsanp, entre os principais cuidados indicados aos pacientes, podemos citar: prática regular de exercícios que fortaleçam a musculatura (desaconselhadas atividades com impacto). Além disso, disse a hematologista, os casos de sangramento devem receber pronto tratamento, para evitar sequelas musculares e articulares. Para isso, o paciente deve procurar atendimento em centro de referência tratador de hemofilia, onde receberá a terapia mais indicada para cada caso. É certo que um paciente tenha algumas restrições, mas com o tratamento adequado é possível seguir com qualidade de vida, aconselha a Dra. Selma Soriano – hematologista do Hsanp, hospital referência na Zona Norte da grande São Paulo.

Fonte: Ascom Hsanp

Comente esta matéria

O seu endereço de email não será publicado. Campos requeridos estão marcados *

*

Não serão publicados comentários com xingamentos e ofensas ou que incitem a intolerância ou o crime. Os comentários devem ser sobre o tema da matéria e sobre os comentários que surgirem. As mensagens que não atendam a essas normas serão deletadas. Os que transgredirem essas normas poderão ter interrompido seu acesso a este veículo.

Scroll To Top