REVISTA DIGITAL

Guanambi . Bahia .
Você está aqui: Capa » Agronegócios » Seis dicas importantes para que uma pulverização seja mais eficiente na lavoura

Seis dicas importantes para que uma pulverização seja mais eficiente na lavoura

  Melhor momento para pulverização está ligado às condições climáticas. No geral, a temperatura ambiente deve variar entre 10°C e 30ºC e umidade relativa em torno de 60%. Divulgação.


Melhor momento para pulverização está ligado às condições climáticas. No geral, a temperatura ambiente deve variar entre 10°C e 30ºC e umidade relativa em torno de 60%. Divulgação.

Terminada a temporada de plantio em novembro, os produtores agrícolas realizam até o fim do ano outro processo fundamental para obter bons resultados da lavoura, a pulverização de defensivos.

Estudo do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Escola de Agricultura da Universidade de São Paulo (Esalq/USP), revela que as principais pragas que atacam, por exemplo, as culturas de soja, milho e algodão no Brasil, podem causar perdas médias de produtividade de até 40%, se não houver o manejo correto desses produtos.

Para evitar tais prejuízos e tornar esse processo de pulverização ainda mais eficiente, o produtor precisa ter conhecimento sobre que tipo de equipamento usar, o momento ideal para aplicação, manutenção de peças e uso de tecnologias disponíveis.

Segundo José Henrique Castro Gross, gerente corporativo de agricultura de precisão da Pivot Máquinas Agrícolas e Irrigação – líder no Brasil em sistemas de pivôs centrais e maquinário agrícola – apesar de ser um período curto dentro de todo o processo de plantio, aproximadamente 30 dias, a aplicação de defensivos agrícolas é fundamental para se manter tanto a qualidade quanto a produtividade da safra. “A pulverização de defensivos é uma das principais maneiras de realizar o controle de pragas e doenças e, com isso, fazer algumas correções importantes para o bom crescimento da planta”, destaca.

Para ajudar o produtor nesse trabalho, o especialista da Pivot traz seis dicas que irão tornar mais fácil e eficiente as operações de pulverização em qualquer propriedade. Confira.

Tamanho da área

O primeiro aspecto a ser levado em conta pelo produtor na hora de se planejar a pulverização é o tamanho da área. Isso porque numa propriedade de pequena extensão, um pulverizador de grande porte pode acarretar aumentos de gastos desnecessários, devido a manobras e consumo de combustível exigidos. Assim como um equipamento de baixo alcance territorial e baixa velocidade não servirá para uma área maior. Portanto, o tamanho da área a ser feita a aplicação é crucial para se definir o tipo de pulverização que será feita, se manual, por equipamento elétrico ou autopropelidos.

Tecnologia a seu favor

Assim como outras máquinas agrícolas, atualmente os equipamentos pulverizadores, em especial os automotores ou autopropelidos, agregam hoje vários recursos tecnológicos que tornam a aplicação dos defensivos cada vez mais precisa. “Em equipamentos, que são comercializados pela Pivot, por exemplo, têm tempos pulverizadores com piloto automático embarcado de série, o que possibilita operações muito mais eficientes, como melhor repetibilidade nas aplicações. Temos também equipamentos que possuem sistemas de controle de taxa por PWM, o que possibilita um excelente desempenho no desligamento de sessões e um melhor controle na taxa de aplicação. Temos também pulverizadores que vêm com estação meteorológica, o que ajuda a definir o melhor momento para a aplicação”, explica José Henrique.

Clima e o melhor momento

De acordo com o gerente corporativo de agricultura de precisão da Pivot, o melhor momento para a pulverização estará diretamente ligado às condições climáticas. No geral, segundo explica o especialista, a temperatura ambiente deve variar entre a mínima de 10°C e máxima de 30°C, já a umidade relativa do ar deve ser em torno de 60%. “As condições climáticas são importantes porque a planta já irá sofrer com essa aplicação, e as plantas são altamente sensíveis à variações extremas de temperatura, sejam muito frias ou muito quentes. Por isso, uma dica importante é fazer essa operação no comecinho da manhã ou à noite, com uma temperatura mais amena”, sugere José Henrique. Já a umidade relativa do ar em torno de 60% favorece o orvalho da planta, o que ocasiona uma melhor absorção do defensivo agrícola.

Outra dica importante, ainda relacionada às condições climáticas, é nunca fazer aplicações durante fortes ventos. “Isso pode provocar a deriva do produto que está sendo usado, fazendo com que a operação de pulverização seja menos eficente”, explica José Henrique.

Bicos e ajustes

Fazer a mistura correta de produtos, bem como definir a taxa de aplicação de acordo com o bico e velocidade de trabalho são fundamentais para a otimização da pulverização, segundo explica José Henrique Gross. “Cada equipamento tem um bico específico para o tipo de aplicação a ser feita ou tipo de produto a ser usado. Então, quando vamos usar, por exemplo, um herbicida ou um nematicida, você precisa averiguar no manual do produto e conferir o bico exigido para a aplicação. Normalmente, cada bico, já traz uma tabela com uma velocidade de trabalho. O operador precisa, antes de iniciar o trabalho, ajustar essa taxa de velocidade de acordo com a taxa de vazão indicada pelo engenheiro agrônomo”, esclarece o especialista da Pivot.

Tamanho da gota

Outro ajuste importante a ser feito para que a operação de pulverização seja o mais eficiente possível é a definição do que os técnicos chamam de ‘tamanho da gota’, o que está relacionada ao tipo de bico e a velocidade de aplicação. “É importante sempre respeitar a tabela de velocidade indicada pelo fabricante do equipamento”, destaca o especialista da Pivot.

Manutenção e limpeza

Assim como todo e qualquer equipamento agrícola, uma manutenção em dia assegura, não só uma maior eficácia das operações de pulverização, mas também eleva em muito a longevidade das máquinas e peças. “É importante que o produtor ou operador siga a tabela de manutenções que consta no Manual do Operador que vem com o equipamento. É preciso prestar especial atenção à limpeza do sistema de aplicação, para evitar obstruções nas tubulações e contaminações de produtos”, orienta o gerente corporativo da Pivot. Também faz parte da rotina de manutenção, segundo explica José Henrique, a limpeza de bicos e do tanque, o que irá garantir uma aplicação sempre eficiente e evitar contaminações com outros produtos.

Anderson Costa | Comunicação sem Fronteiras

Comente esta matéria

O seu endereço de email não será publicado. Campos requeridos estão marcados *

*

Não serão publicados comentários com xingamentos e ofensas ou que incitem a intolerância ou o crime. Os comentários devem ser sobre o tema da matéria e sobre os comentários que surgirem. As mensagens que não atendam a essas normas serão deletadas. Os que transgredirem essas normas poderão ter interrompido seu acesso a este veículo.

Scroll To Top